English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By tecnicoemagropecuaria.blogspot.com

Procure no blog o assunto

Para pesquisar um assunto de seu interesse aqui no no blog, digite uma palavra chave na tarja branca acima e clique em pesquisar.

14 de agosto de 2013

Estrada Real - De Iguaçu ao Sabarabuçu

Está bem próximo de se concretizar o início de nossa jornada na Estrada Real. Logicamente não será percorrida toda à extensão dos 1400 km em buscas de histórias já consagradas e contidas em afamadas literaturas que falam do Caminho Velho e do Caminho Novo. São encantadores os relatos escritos de fatos ocorridos nas extensões desses caminhos, nos “adamantinos” e da “serra resplandecente”.  Nesses sim, vamos percorrer e num deles, faremos a pé. 
Ao longo do período colonial, sucessivos movimentos de penetração registravam ocorrências do encontro de metais preciosos, e com eles, fatos ocorridos que se perderam ou não foram anotados, mas é possível notá-los em lendas e “causos”, que se ilustram a partir dos surgimentos de núcleos de atividades extrativas, nos quais, apesar do caráter geralmente modesto, atraiam na época, pioneiros para a produção de riquezas supostas abundantes.
Muitas dessas incursões sertanistas foram malogradas, que deixaram na bancarrota afamados nomes, que se sustentavam em “opulentas lorotas”. Quem diria que um desses foi o próprio Caçador de Esmeraldas, que vendeu todo o seu gado, ouro e prata, juntando 6 mil cruzados para armar sua própria bandeira, que na ocasião, sua esposa Dona Maria Garcia Rodrigues Betim, muito mais jovem, implorou-o para que não se empreitasse nessa jornada, pois além da avançada idade, já havia "torrado" as economias da família para montar a que se tornaria a famosa bandeira das esmeraldas.
Vamos buscar fatos que mesmo escritos em documentos, não agraciou caminhantes e cavaleiros, alguns sem conhecimento acadêmico; que não foram intitulados como naturalistas, mesmo por seus relatos devidos os seus aos olhares atentos e curiosos e que não eram financiados por governos europeu.
Museu do Ouro - Sabará/MG
Inúmeros relatos e manifestos se perderam, não foram consagrados por historiadores ou simplesmente estão ocultos em manuscritos empoeirados em bibliotecas, protegidos em redomas ou sem permissões de serem folheados. Muitos relatos são manifestos relacionados as atividade econômica, com estímulos ao comércio de gêneros e à produção agrícola e pecuária. Outros, não denigrem, mas demonstram as práticas desrespeitosas ao meio ambiente, já aquela época, pois muitos se preocupavam apenas com a mineração ou com as nocivas, mas necessárias monoculturas.

Os exemplos desses relatos, temos o de Saint-Hilaire, que constata em um trecho da Estrada Real: “Os morros que a rodeiam são cobertos por uma relva pardacenta e exibem a imagem da esterilidade”. E ainda: “todo o sistema de agricultura brasileira é baseado na destruição de florestas e onde não há matas, não existe lavoura.”

Os de Joaquim Felício dos Santos, escrevendo em 1862, identificando o mineiro como: Alegre, pródigo, descuidado, indiscreto, só vê o presente; o agricultor é severo, econômico, amante da riqueza, desconfiado, circunspecto e inimigo dos prazeres ruidosos... a vida do agricultor é tranqüila, pacífica, serena; ele só se inquieta com as irregularidades das estações; a vida do mineiro, por seu turno, seria cheia de azares, de vicissitudes”.

O de um insatisfeito tropeiro que relata: “Do alto da Mantiqueira, descia-se as vertentes do Rio Verde, já em território de Minas Gerais, passando-se pelos pinheirais, cujos frutos sustentavam os mineiros, comuns as roças de milho, feijão e outros gêneros alimentícios que, junto com animais domésticos, são vendidos por preços exorbitantes”.


Estrada Real (caminho do Sabarabuçu)

Dessas riquezas iremos a buscas, De Iguaçu ao Sabarabuçu entre Velhos e Novos Caminhos